segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Curtas e Grossas - 27 de Setembro

Adivinhe quem trocou de função?
Zico permitiu a entrada de torcedores para tomarem satisfação com treinador e elenco, mas na hora H, fugiu.
Retrospectiva rápida:
- Contratações: Corrêa, Leandro Amaral, Borja, Val Baiano, Diogo, Deivid, Jean, Renato Abreu.
Dos oito, nenhum vingou. Dos quais cinco são atacantes, mas mesmo assim apenas um gol foi marcado.
- Demitiu um técnico de forma covarde, afirmando ser por pressão da torcida.
- Contratou um pior ainda, que além de não melhorar o ataque, destruiu a boa defesa.
- Hipocritamente, tem por hábito dizer que pela família não estaria no Flamengo.
Por trezentos mil reais talvez, né?
- Volta e meia reforça seu "amor" pelo Flamengo, numa atitude populista e canastrona.
Como diria Agamenon, apesar de tudo isso, ele tem alguns defeitos.


 Que semana...

Dorival Jr. fez a inacreditável escolha de ir treinar o time mais patético do campeonato.
Arrisca sua bela reputação recente acumulada pelas passagens por Vasco e Santos num clube pessimamente dirigido e que conta com um elenco inundado de jogadores sem ambição na carreira, e em fase descendente.
Pode até se salvar, mas a não ser que esteja ganhando muito, mas muito mais do que recebia, cometeu um engano indesculpável para um técnico de seu quilate.


 Futebol arte é outra coisa!

 O futebol é um esporte curioso. Mas, ainda mais curiosos são os critérios utilizados pelos árbitros num determinado tipo de falta.
No sábado, Zé Eduardo atacante do Santos, tinha a posse bola e de forma imprudente tocou o rosto do adversário que o marcava. O marcador como se tivesse sido sodomizado, caiu rolando pelo chão.
Resultado, o juiz expulsa o jogador do Santos por agressão.
Na estréia da Libertadores deste ano no Maracanã, Juan foi expulso pela mesma razão.
Quantas vezes você já não viu um jogador ser tocado na barriga e cair com as mãos segurando a cabeça como se a mesma fosse se soltar do tronco?
Tornou-se praxe, o juiz em situações assim, expulsar o teoricamente agressor, e vitimizar o ator que nas horas vagas tem como hobby jogar futebol.
A atitude correta evidentemente seria dar eventualmente o amarelo para o jogador que tocou o adversário, e o vermelho pela tentativa patética de enganar o árbitro.
Principalmente porque de alguns anos pra cá, a retrógrada FIFA resolver punir os jogadores que simulam pênaltis.


"Marcelinho" Forever

Por falar em coisas patéticas, nada mais idiota, estúpido e sem sentido, que um jogador pedir para ser chamado por outro nome que não pelo que sempre foi conhecido.
É o caso de Marcelinho do São Paulo. Muitos casos como esse já ocorreram, como o de Perivaldo, lateral que jogou no Botafogo na década de noventa, e que assim era chamado por se parecer com o jogador que atuou no mesmo clube anos antes.
Mas o pior, não é o jogador pedir isso, e ainda por cima apenas quando fica famoso.
O pior, é a imprensa aceitar e abaixar a cabeça para essa palhaçada, sem um pingo de personalidade, ironia, bom humor e postura crítica.
No jogo do São Paulo contra o Goiás no último sábado pelo Brasileiro, o narrador chamou o atleta de Marcelinho, durante e após uma jogada do rapaz. 
Não se passaram cinco segundos para o mesmo nitidamente seguindo ordens de um provinciano ponto, "corrigir" o que havia dito.
É o jornalismo almofadinha, com cheirinho de produto feito para a "família brasileira", que assola cada vez mais o jornalismo esportivo (em especial o televisivo) e que me dá ânsia de vômito, rodada após rodada.

Um comentário:

ESTRELA SELMA disse...

O Site é EXCELENTE! PARABÉNS, OPINIÃO DO CARVALHO É NOTA 10!

Fiqueo fã!
Bj.!

ESTRELA SELMA

BlogBlogs.Com.Br